Axl Roses processa Activision

28 11 2010



É, não existe mais uma doce criança em Axl Roses, essa semana o cruel e sanguinario ditador dos Guns n’ Roses processou a Activison em 20 milhões de doletas por causa de quem? a quem mais seria… Slash.
Tudo se trata por causa do Single Welcome to The Jungle (é a musica mais tocada em todas as versões do jogo musical).

Na época do lançamento do jogo, Axl disse que assinou com a big A um contrato que permitia apenas a execução do single, sem qualquer relação a Slash ou na época sua banda o Velvet Revolver.


Bom, nos sabemos o que aconteceu, Slash virou pesonagem e Velvet Revolver DLC no X360, agora Axl quer dinheiro e o chineses democracia, só não vale chorar hein!





Fotos comprometedoras sobre a versão arcade de Super Street Fighter IV

28 11 2010

Que Yun e Yang vão para a versão arcade de SSFIV todo mundo sabe, mas será que eles vão só pra ela mesmo? essas imagens parecem dizer ao contrario…
OBS: como o Kotaku é mal e protege suas imagens só postarei os links





Novas Imagens de Duke Nukem Forever

28 11 2010





1ª Imagem de Prototype 2

28 11 2010





Gameplay de Epic Mickey

22 11 2010




SWAT 4 PC Review

21 11 2010

Sendo reconhecida por títulos de mundos fantasiosos e como primeiro título de sucesso Systemshock 2, Irrational Games se firmou como uma das empresas mais promissoras do mercado atual de videogames. Porém seu talento foi posto à prova quando Vivendi Universal Games propôs ao estúdio que fizessem a sequência de uma de suas séries: SWAT. Considerada uma das mais realistas séries de games FPS, SWAT prioriza o trabalho da equipes táticas de polícia e encoraja o uso de força não-letal em vez de tiroteios sangrentos, como a maioria dos games do gênero no mercado. Mas seria possível para a Irrational trazer o charme e polimento de seus games surreais para uma abordagem mais realista?

Enredo

Não há muito que falar sobre o enredo do game, porque, basicamente, não há. Você assume o papel de um recém chegado capitão de um grupo da SWAT e deve comandar seus 4 parceiros por diferentes missões, que envolvem uso de planejamento tático. Antes de cada missão é possível revisar a situação com seu superior; ouvir a chamada para o 911, caso haja; estudar o mapa; selecionar seu equipamento e analisar uma linha do tempo descrevendo todas as ações tomadas até o momento. Como cada missão mostra uma situação diferente, cada missão tem seu mini-enredo e atmosfera, dando ao game uma multiplicidade de opções. Mesmo que, no final, a essência das missões seja resgatar certo refém ou neutralizar um grupo de criminosos, ainda assim elas são profundas e bem elaboradas.

Visual

De fato, o que atrai os olhares em SWAT 4 não são os gráficos ou a modelagem dos personagens, mas sim os cenários. Com um tom geralmente escuro, de escritórios cheios de cantos a um prédio de uma seita religiosa SWAT 4 prega sua atenção pelos detalhes contidos em cada canto do cenário. Apesar da brilhante construção de cenários, o mesmo não pode ser dito para os personagens. Para um game de 2005, ele até apresenta gráficos correspondentes com a época, mas já vi visual melhor. Personagens têm movimentação truncada, principalmente os PNJs (personagens não – jogáveis), que mais parecem robôs que humanos. Além disso, a sincronia bocal é horrível, ainda mais por eles abrirem e fecharem a boca freneticamente, por assim dizer.

Jogabilidade

Basicamente, SWAT 4 é um FPS, então espere pelo uso conjunto de mouse e teclado. O que o diferencia dos demais é por ser tático e priorizar o uso de força não-letal sobre seus inimigos, o que dá uma lição de moral para o jogador, teoricamente. Além dos controles básicos de um FPS, ainda há o comando tático. Com ele, você põe todo o seu time à disposição para executar ordens, como arrombar portas; jogar granadas de diversos tipos; coletar evidências e por aí vai. Os comandos mudam conforme você aponta para determinado objeto ou pessoa. Também é possível comandar seu time por distância, através de uma câmera acoplada nos capacetes dos seus companheiros, possibilitando a divisão do seu esquadrão em duplas e abrindo mais possibilidades de ações. Ainda há a disposição de snipers, em alguns casos, e que você pode controlar seus disparos. Como membro da SWAT, seu principal objetivo é manter a ordem da maneira mais pacífica possível, portanto a todo momento deve-se ordenar a rendição do suspeito em vez de atirar sem pensar, sendo a força letal usada em último caso. Durante as missões são dados objetivos, que valem pontos e que no final são somados e te avaliam como membro da SWAT. Dependendo da dificuldade escolhida no início da missão, pode-se pontuar de qualquer coisa até 100% para prosseguir. Para abranger mais diversão além das pequenas missões, ainda há o multiplayer, em que é possível realizar as mesmas ações que ocorrem nas missões principais, agora com outros jogadores online, prolongando a vida do game consideravelmente. Embora a IA do game não tenha a mesma sagacidade que a de um humano e os menus de comandos pareçam meio truncados, não irão impedir que um jogador se aperfeiçoe e jogue mais seguro conforme o tempo.

Som

Não basta ter apenas armas e explosões convincentes, para que um título de SWAT seja convincente. Lógico, armas são bem caracterizadas e explosões de portas com detonadores são tão altas quanto as reais, mas ainda é preciso um elenco de vozes para caracterizar seu time. E graças a esse elenco, cada membro ganhou sua característica devida, com cada membro te respondendo de uma forma diferente mediante seus comandos. Mesmo que, na maioria das vezes, o diálogo venha por meio de respostas, ainda sobra um tempo para eles falarem alguma coisa quanto ao ambiente ou à missão. Bem que poderia haver mais diálogos, mas devido à duração do game, as falas também entram na proporção.

Conclusão

Seria maluquice não recomendar esse game, pois a cada novidade ou novo foco em games FPS, saturados no mercado atual de games, há o que apreciar. SWAT 4 renova a fórmula de títulos antigos da série, mas mantém seu foco estratégico e peculiar, sempre encorajando a não violência. Apesar da curta duração das missões e gráficos um tanto ultrapassados, a compensação vem com a riqueza atmosférica dos ambientes e as dezenas de horas no multiplayer. E assim a Irrational Games prova que mesmo sendo focada em títulos fantasiosos, não desaponta se tentar focar em algo mais real.

9/10





Novas imagens de NASCAR 2011

21 11 2010

Franquia Adotada pela Eutechnyx, depois que a EA Sports a encerrou, ganha imagens e confirmação do lançamento do jogo para PC